11/02/2012

Viver vale a pena

No dia 6 de fevereiro de 2007 eu passei por uma delicada cirurgia de transplante renal. Nesta semana em que completam 5 anos dessa nova oportunidade de vida concedida por Deus, resolvi compartilhar com vocês um texto que escrevi pouco tempo depois deste fato. Espero que gostem.

“Pi... pi... pi... esse barulho dos aparelhos da UTI somado aos murmúrios dos enfermeiros correndo de um lado para o outro, cuidando de seus pacientes, foram os sons que inundaram meus ouvidos na manhã do meu vigésimo oitavo ano de vida. Talvez não fosse a saudação mais desejada para o início de mais um ano de vida, contudo esses sons me davam alento e a certeza de que Deus havia me dado a oportunidade de viver (ou reviver) novamente. Afinal de contas, há menos de 24 horas havia passado por uma delicada cirurgia de transplante renal.

Nossa vida é algo muito importante, um presente de valor inestimável que recebemos de Deus através de nossos pais. Pena que quando esse presente nos é dado ainda não temos a consciência do seu valor e da responsabilidade que temos de fazer com que ela realmente valha a pena ser vivida.

Vale a pena lembrarmos que nossa vida não é vivida apenas para nós mesmos, mas também em função e para as pessoas que estão ao nosso redor, as pessoas que, ao longo dessa vida vamos cativando, trazendo para perto de nós, pessoas que muitas vezes nos vêem como exemplos, que nos estimam, que se preocupam e que nos amam.

Tudo isso faz com que a responsabilidade de fazermos nossa vida valer a pena aumente a cada dia. Nesse mundo não basta apenas existir, temos que viver de uma forma tal que as pessoas com quem convivemos e o meio onde estamos possam ser beneficiados através de nós.

Hoje Deus te deu mais uma chance acordar com saúde, de viver mais um dia. O que você vai fazer para que esse dia não passe em branco? Lembre-se de que o amanhã é incerto, o ontem já se foi e não podemos fazer nada para fazê-lo voltar. O momento de fazer a diferença é agora. Como temos agido no meio em que vivemos? Como temos desempenhado nossa função na família (pai, mãe, filho, irmão)? Temos amado e respeitado aqueles que conosco formam um lar? Na sociedade, como cidadãos, temos cumprido nossos deveres? Temos cobrado nossos direitos e feito uso deles? Na escola, na igreja, no círculo de amigos, temos sido pessoas ativas, pessoas que fazem algo para contribuir para o engrandecimento do grupo?

Você vive ou você apenas existe?

Não espere ser acordado para o verdadeiro sentido da vida por causa um grande susto como um acidente ou uma doença grave. Acorde hoje mesmo, desperte do sono existencial e faça da sua vida um espetáculo. Como diria o psicólogo e psiquiatra Augusto Cury: ‘saia da platéia e entre no palco da sua vida’”.

A paz de Deus a todos.