20/12/2012

Natal – tristeza e alegria

Os últimos dias de um ano são muito festivos. Pelo espírito natalino acontecem tréguas nos relacionamentos mais difíceis; a troca de presentes é indispensável e os banquetes e ceias acontecem em quase todos os lares. Na virada de ano a euforia toma conta das pessoas e as esperanças de um ano melhor são reforçadas.

Os primeiros dias de um ano, para muitas pessoas, são terríveis. É o momento de contabilizar as despesas e projetar a melhor maneira de livrar-se delas o quanto antes, se for possível. O que antes era celebração se torna um grande pesadelo. As crises nos relacionamentos não foram resolvidas e voltam com maior intensidade. O que deveria ser alegria transforma-se em tristeza.

A tristeza maior do Natal está relacionada ao fato de que as pessoas esquecem-se do Deus Criador, ou nada sabem a respeito. Ele assumiu a natureza humana e nasceu como tal numa pequena cidade chamada Belém. Em Jesus Cristo está comprovado todo o amor que Deus tem pela humanidade. Ele veio para salvar o seu povo dos pecados deles. Um anjo do Senhor apareceu a José num sonho e disse: ”Maria terá um menino, e você porá nele o nome de Jesus, pois ele salvará o seu povo dos pecados deles.” Mateus 1.21. Sem a verdadeira fé cristã não é possível celebrar o Natal no seu real sentido.

A maior alegria do Natal acontece somente com as pessoas que receberam o maior de todos os presentes: a fé que aceita Jesus como Salvador. Para estas pessoas, os dias que seguem a este período festivo têm tudo para melhorar. Foi o que aconteceu com os pastores de ovelhas na noite em que Jesus nasceu. Eles receberam a visita de um anjo e este lhes disse: “Estou aqui a fim de trazer uma boa notícia para vocês, e ela será motivo de grande alegria também para todo o povo! Hoje mesmo, na cidade de Davi, nasceu o Salvador de vocês – o Messias, o Senhor!” Lucas 2.10-11.

Receber e crer na notícia de que Jesus nasceu para morrer na cruz por causa dos nossos pecados é o começo para celebrar o Natal com muita alegria. Feliz Natal!

Pastor Fernando Emilio Graffunder

fergraff@terra.com.br

Pelotas, RS

18/12/2012

Cristo Jesus e a Vitamina do Sol

Cartaz IELB 2013 (2)

A vitamina D é chamada de vitamina do sol. Ela ajuda o organismo a absorver o cálcio e assim fortalece os ossos. A falta desse mineral pode causar diversas doenças. O corpo até tem a capacidade de produzir a vitamina D, mas, para isso, é necessário tomar sol, pois os raios solares ativam a substância no organismo. É preciso, porém a medida certa de sol, pois o excesso é prejudicial.

Apesar de o Brasil ser um país tropical e de muita incidência de sol, grande parte dos brasileiros não consome a quantidade necessária de vitamina D. Isso sem contar que o sol é uma a vitamina gratuita e está disponível diariamente.  Quem não recebe esta vitamina não é por culpa do sol. O sol está no lugar dele. Basta usá-lo.

O Senhor Jesus é chamado de “Sol Nascente” e “Sol da Justiça” (Malaquias 4.20). Através da profecia de Zacarias, pai de João Batista, Deus disse: “O Senhor fará brilhar sobre nós a sua luz” (Lucas 1.78).  Ele também está disponível gratuitamente. A falta da luz de Cristo gera grandes doenças na alma, pois nos enfraquece espiritualmente. Mas quem não o recebe não é por culpa de Cristo. Ele também está no lugar dele, de onde brilha sobre nós através da Palavra e nos capacita para o serviço do seu reino.

Façamos uso equilibrado do sol que é de graça, mas muito mais de Cristo Jesus. Ele se doou inteiramente por nós. Seus raios e sua luz nunca serão excesso para nós.

Pastor David Karnopp

06/12/2012

Do Olímpico para a Arena

É difícil, a não ser que se faça uma pesquisa, saber o que aconteceu nesses 58 anos de Olímpico. É difícil também imaginar como será daqui a 58 anos. Não conhecemos nosso amanhã, e a maravilha da vida é justamente as surpresas do outro dia.

Se o mundo não acabar conforme a previsão maia, no dia 21 de dezembro de 2012, o dia 02 de dezembro se tornou histórico, o ultimo jogo no Olímpico.

Dia 02 de dezembro de 2012 não foi apenas um dia para a historicidade futebolística, para a igreja cristã foi o inicio do Advento. Para muitos passou despercebido, afinal, era Grenal, dia histórico, de festa. Era a despedida do grande e magnífico Olímpico.

O jogo em si me fez lembrar fatos que relacionam com o nosso advento atual. Para os cristãos advento é um período de preparação. E essa preparação não envolve apenas a comemoração do nascimento de Jesus, mas sim, a preparação para a segunda volta de Jesus, um assunto intensamente discutido e até colocado em dúvida.

Ao escrever sobre a segunda volta de Jesus, me imagino dentro do antigo estádio olímpico. É dia de decisão. Mas a exemplo do jogo, também estamos em meio a uma multidão eufórica. No campo, assim como os jogadores, estamos perdidos em meio ao tumulto, alguns são expulsos e outros substituídos. Os líderes mandados para fora, e outros assumem o comando. O jogo está quente.

A emoção do jogo não está simplesmente em deixar a casa que foi um palco de glórias durante 58 anos de existência, ou na despedida. Está em querer sair com a cabeça erguida e adentrar no novo campo de jogo.

Como cristãos estamos vivendo nosso advento. Estamos em jogo. E nesse jogo o presidente geral diz: “Assim como foi nos dias de Noé, será também nos dias do Filho do Homem: comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento,...” (Lucas 17.26 – 27). Mas, mesmo que o jogo seja permitido e necessário, chegaremos ao final da partida.

Rev. Edson Ronaldo Tressmann

cristo_para_todos@hotmail.com

28/11/2012

Virgindade: presenteada ou leiloada?

Levando meus filhos pequenos para o colégio, no início da tarde, sou obrigado a trocar a emissora de rádio algumas vezes. Tem muitas frases de efeito sexual que podem se levar na brincadeira, mas dificilmente os apresentadores conseguem estabelecer um limite, de forma que acaba sempre havendo comentários que ultrapassam o humor.

Troco o canal, mas logo começa uma música de esfrega aqui, tira a roupa lá, requebra molhadinha ali – muito constrangedor!

Não sou do tipo que acha errado falar de sexo, antes sei que a sexualidade é um dom do Criador. Também não quero aqui roubar a liberdade de expressão de ninguém, pois sei que cabe a mim trocar a sintonia. Mas dando este exemplo do que ouço nas rádios sem mencionar televisão e internet, quero dizer que não fico surpreso com a atitude de jovens que estão leiloando a virgindade.

Eu sei que muitos vão me chamar de careta. Porém tenho reparado que aqueles que se gabam de uma vida sexual intensa e diversificada, não conseguem manter relacionamentos felizes. As brigas motivadas por inseguranças e ciumeiras se multiplicam. Por mais prazer que relacionamentos diversificados possam dar, o sentimento de vazio e de tristeza é cada vez maior!

A Bíblia diz assim: 6.15Será que vocês não sabem que o corpo de vocês faz parte do corpo de Cristo? Será que eu vou pegar uma parte do corpo de Cristo e fazer com que ela seja parte do corpo de uma prostituta? É claro que não! (...) 18 Fujam da imoralidade sexual! Qualquer outro pecado que alguém comete não afeta o corpo, mas a pessoa que comete imoralidade sexual peca contra o seu próprio corpo. 19 Será que vocês não sabem que o corpo de vocês é o templo do Espírito Santo, que vive em vocês e lhes foi dado por Deus? Vocês não pertencem a vocês mesmos, mas a Deus.” (1 Co 6.15-19).

O livro bíblico de Cantares revela poesias, que expõem toda a alegria sexual de um casal que vive o dom de Deus de maneira intensa e fiel em seu casamento.

Deus sabe das coisas! Sabe mesmo! Quando nos propõe que entreguemos nossa virgindade como um presente apenas a nossa amada, ou ao nosso amado, nos promete não uma quantia em dinheiro obtida em um leilão, mas uma felicidade, segurança e satisfação que muitos nem imaginam que exista!

Pastor Ismar Pinz

ismarpinz@yahoo.com.br

Comunidade Luterana Cristo Redentor

20/11/2012

Ação de Graças ou desgraça?

Têm coisas que fazemos automaticamente, sem pensar. São hábitos, costumes, rotinas. O jeito de comer, andar, sentar, vestir-se, trabalhar, descansar, escrever. Até o jeito de relacionar-se. Estes hábitos podem ser bons ou ruins. Por exemplo, se me acostumei a sentar numa posição incorreta, com o tempo minha coluna reclama, se me habituei com uma alimentação errada, a saúde do corpo não vai longe. E grande parte vem por educação, de pais a filhos, de professores a alunos. De tal modo que o cultivo dos maus hábitos tem nome: falta de educação. E parece que estamos vivendo tempos de gente sem educação. Em quase tudo, especialmente na palavra: “obrigado”. Lembro-me quando criança de meus pais: “Como se diz?” – referindo-se ao agradecimento por um presente ou favor recebido.

Deixar ou esquecer-se de agradecer também virou costume no assunto “bênçãos de Deus”. Em grande parte pela teoria que tudo surgiu e surge do nada. Nesta ideia evolucionista, até se compreende em não render “ação de graças”. Agradecer a quem? Ao Big Bang? À mãe natureza? Ao Sol, à Lua? Porém, se tal atitude vem de alguém que professa que “é Deus quem dá o sustento aos que ele ama, mesmo quando estão dormindo” (Salmo 127.2)? De uma pessoa convicta “que ninguém pode ter alguma coisa se ela não for dada por Deus” (João 3.27)? Algo parecido com aquela ingratidão reclamada pelo próprio Jesus, depois que curou dez leprosos e só um voltou para agradecer. “Onde estão os outros nove?” (Lucas 17.17). Esta pergunta o Salvador ainda faz, quando o que chama a atenção mesmo é a insistência no “eu quero, quero, quero, em nome de Jesus” – como se Deus fosse obrigado a dar tudo o que pedem. Algo parecido com o jeito das crianças de hoje que não sabem ouvir um não. Até porque “graças” na Bíblia significa presente “imerecido”. Por isto “todos os dias te darei graças e sempre te louvarei”, diz o salmista. Pura graça de um Deus que veio enrolado de presente.

Marcos Schmidt, pastor luterano - marsch@terra.com.br

Igreja Evangélica Luterana do Brasil - Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo, RS

31/10/2012

Reforma Luterana

Dia 31 de outubro festejamos os 495 anos da Reforma, desde que Martinho Lutero, num ato de coragem, convicção e defesa da verdade das Sagradas Escrituras, fixou 95 teses na porta da igreja de Wittenberg, na Alemanha. Começava ali uma luta na defesa de três pilares básicos de nossa confissão e fé: Somente a Graça; Somente a Fé e Somente a Escritura.

Lutero defendia, à luz da Palavra de Deus, de que a salvação eterna é graça, é presente de Deus, que vem a nós, somente pela fé em Cristo Jesus e essa verdade, nos é colocada e determinada, somente pela Escritura, que é a clara e pura Palavra de Deus. Por essa verdade ele lutou. Nessa certeza ele viveu e se dispôs até a morrer, confessando: “Se vierem roubar os bens, vida e o lar, que tudo se vá, proveito não lhes dá. O céu é nossa herança.” (Hinário Luterano, nº 165).

Quando lembramos essa data, louvamos e agradecemos a Deus pela coragem, firmeza, determinação e fidelidade deste servo de Deus, chamado Martinho Lutero. Por outro lado, numa sociedade em transformação, num mundo de constantes mudanças, onde valores éticos, morais, princípios cristãos, são ignorados, pisoteados e deixados de lado, é preciso olhar para o exemplo de homens como Lutero, para,também, firmados na Bíblia, a Palavra de Deus, hastearmos pendões (Sl 20.5), confessarmos essa fé e não nos deixarmos envolver por ameaças, críticas e vãs filosofias desse mundo (Cl 2.8 e 1 Tm 6.20).

Deus nos proteja, defenda e dê sabedoria para permanecermos firmes na fé e nas Confissões da nossa Igreja. Nas Confissões, conforme encontramos no Livro de Concórdia de 1580, não por serem essas igual ou maior do que a Bíblia Sagrada, mas por termos absoluta convicção que elas estão fundamentadas, baseadas e firmadas na Palavra de Deus. Que assim possamos permanecer firmes e defender com convicção, não o que Lutero disse, mas o que a Bíblia diz, e pela qual Lutero batalhou e lutou até o fim.

Continuamos defendendo que somos salvos Somente pela Graça de Deus. Esse presente vem a nós, Somente Pela Fé, e temos essa certeza, porque a Bíblia e Somente Ela nos afirma e mostra isso.

Pastor Egon Kopereck
Presidente da IELB

09/10/2012

Cidadão ou idiota?

Depois de escolher aqueles que vão cuidar de nossa cidade, agora é hora de cuidar destas pessoas. Ou seremos uns idiotas. Calma, o termo na sua origem tem outro sentido deste que conhecemos. No livro “Política para não ser idiota”, Mário Sérgio Cortella explica que “idiota” vem do gregoidiótes, expressão na Grécia antiga para “aquele que só vive a vida privada, que recusa a política”. Um problema que vem de longe. Pesquisas atuais indicam que durante a campanha eleitoral, 5% da população são inimigos do poder em qualquer situação, tudo para eles é ruim; 15% são amigos do poder, tudo é excelente na administração pública; e 80% da população são indiferentes, ficam alheios à política.

Só existe política como capacidade de convivência exatamente em razão do condomínio”, explica o sociólogo Cortella. Nesta comparação, lembra que no campo do direito condominal, a propriedade de cada condômino é chamada “unidade autônoma”. Um termo que indica limites junto a outras pessoas também autônomas, e que exige convivência e participação em determinadas situações. “Em qualquer instância, é uma decisão política. Vale tanto para um condomínio quanto para a inserção nos rumos da cidade, do estado, da nação e do planeta”, conclui Cortella. 

A  reflexão vale também para a vida cristã, bem observada por Paulo na carta aos Filipenses. O apóstolo diz que os cristãos são cidadãos dos céus (3.20), mas insiste para não serem omissos, e sim, que vivam uma vida de acordo com o evangelho de Cristo (1.27). Nos dois casos ele usa o termo grego politeuste, o contrário de idiótes. Percebe-se, portanto, que o cristão exerce responsabilidades em duas instâncias – e que Lutero definiu de reino de Deus da direita (igreja) e reino da esquerda (estado). Um exercício de cidadania, inclusive, recomendada por Jesus ao dizer “dêem a Imperador o que é do Imperador e a Deus o que é de Deus”. Assim, cabe decidir pela cidadania ou pela idiotice.

Marcos Schmidt, pastor luterano

marsch@terra.com.br

Igreja Evangélica Luterana do Brasil

Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo, RS

03/10/2012

A faca e o queijo

Domingo estaremos com a faca e o queijo na mão, mas como evitar que depois roubem o nosso queijo? Este é um detalhe que ainda precisamos aprender. O julgamento do Mensalão tem mostrado que nem tudo está perdido, e quem sabe, depois de escolhermos o nosso prefeito e vereadores, tenhamos mais audácia para pressioná-los ou denunciá-los. Até porque eles são colocados lá para o bem comum da sociedade e não para serem servidos por ela. “Eu vim para servir”, disse Jesus aos seus discípulos, indicando o caminho para fazerem o mesmo. A política é um discipulado. As pessoas públicas são colocadas nos seus lugares por Deus, e para isto pagamos impostos, escreve Paulo (Romanos 13.6). Assim o voto é divino, e, portanto um compromisso cristão.

Mas um compromisso também para cobrar. É assim na vida cristã, somos responsáveis uns pelos outros. “Se o seu irmão pecar vá e mostre o erro dele” (Mateus 18.15), lembra o Salvador. Na administração pública deve acontecer o mesmo. Até porque se um prefeito ou vereador está pecando por negligência, irresponsabilidade, corrupção, falcatruas, sendo infiel à sua vocação, quem é responsável por denunciar estas iniquidades? Somos nós, aqueles que os elegeram. Portanto, chega de falar dos políticos corruptos, falemos aos políticos corruptos. Para isto a sociedade civil deveria conhecer melhor os mecanismos para que o povo não fique refém entre uma e outra eleição.

Outra coisa, e se o vereador fosse voluntário, isto é, sem salário como era antigamente? Eu penso que se tivéssemos vereadores voluntários, os eleitos seriam pessoas movidas por legítimo civismo, além de eliminarmos muitos interesseiros. Mas domingo é preciso escolher, e eu já sei em quem não vou votar: naqueles que fazem barulho. Afinal, como pedir ajuda a um vereador com a lei do silêncio se ele mesmo não a respeitou na sua campanha?  Um simples detalhe entre outros para que depois não roubem o nosso queijo.  

Marcos Schmidt, pastor luterano

marsch@terra.com.br

Igreja Evangélica Luterana do Brasil

Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo, RS

28/09/2012

Melhorias na congregação

O culto do dia 22 de setembro foi muito especial, pois depois de quase um mês realizando cultos no salão, voltamos “pra dentro de casa”.

Agora de cara nova. Um novo piso, muito bonito, mais claro, que deu um ar todo especial. E também com o sistema de som instalado, tornando assim o culto mais agradável também aos nossos ouvidos.

Estamos muito gratos a Deus por nos ter abençoado dessa forma. E muito agradecidos também, de forma especial, ao Departamento de Servas, pela compra do piso e do material necessário para sua colocação. A todas as pessoas que ajudaram nessa obra que deu muito trabalho. A Jutripel e a cada jovem que trabalhou bastante para a aquisição e instalação do sistema de som.

Deus seja louvado por tudo isso.

 

As filas

Por vivermos num mundo de mercado, com oferta e procura, custo e benefício, convivemos com múltiplas filas.  Vemos-nos em filas nos bancos, teatros, trânsito, cartórios, padarias, açougues, supermercados.  Até para encontrar alguém que queira comprar o que precisamos vender, ou comprar um carro com isenção de IPI.

Aqui no hospital, enfrentei fila para atendimento, consulta, exames, avaliações, definição das condutas, procedimentos e obtenção de leito.  E, quando na fila para a cirurgia... esta ficou de segunda para quinta-feira... Fila de banheiro, fila de reconsulta e não sei quantas vem pela frente...  (sem contar a sala de triagem com espaço para 25 pacientes aguardando leito e abarrotada com 143 urgências espalhadas em cadeiras, macas e camas).

São poucos os que não enfrentam e sofrem com filas...

Nas catástrofes, filas de indigentes e desabrigados, filas para lonas e colchões, para empréstimos, perícias, reavaliações.  Até para “prova de vida”.

Jovens e menos jovens aprovados em concurso, enfrentando filas para serem confirmados nas posições que já lhes pertencem de direito. Filas para se habilitar.  Filas para ter seus direitos reconhecidos.

Agora, deitado no leito e aguardando a cirurgia, tomo conhecimento de um enorme e imerecido número de amigos que manifestam estar intercedendo por minha recuperação...  Como se fosse uma fila enorme de pedidos e pedintes...

Então,

- recordando as misericórdias do Pai que (ainda que uma mãe se esquecesse de seu filho, eu não me esquecerei de ti)  tem nossos nomes gravados nas palmas de suas mãos,

- relendo as promessas que se cumprem a seu tempo, a seu modo e conforme sua bondade,

- revendo o quanto temos pecado contra seus mandamentos e sido perdoados pelo sangue salvador de seu filho, entregue por nós,

- e pedindo que ele santifique nossas vidas e faça de nós exemplo de resignação, fé e coragem quando no vale da sombra da morte,

... eis que percebo algumas coisas:

1) não temos por que enfrentar fila para pedir ao Pai nem por alguma graça especial.  Não dormita nem dorme o guarda de Israel. As petições dos filhos de Deus podem ser dirigidas ao trono da graça de Deus a qualquer hora.

2) as misericórdias dele é que fazem fila para serem percebidas por nós.  Renovam-se cada manhã e nos cercando por trás e por diante.  Onde abundou o pecado, superabundou a graça daquele que não nos deixa sós.  É dele a promessa: tem bom ânimo, eu te remi, chamei-te pelo teu nome, tu és meu.

3) O tempo em que ficamos prostrados no leito e na doença nos permite fazermos uma fila com intercessões em favor de nossos familiares, amigos, irmãos na fé, companheiros doentes e fragilizados, em favor das pessoas de nossa rua, bairro, cidade, governo. Todos são amados por Deus e nos cabe sustentá-los com nossas preces.

Em última análise, as misericórdias de Deus fazem fila para nos atingir, animar e fortalecer.

Obrigado, Senhor Jesus.

Martinho Krebs, pastor luterano.

18/09/2012

Culto Crioulo (Gaúcho)

Dentro das comemorações da Semana Farroupilha, a Congregação Trindade realizou, neste domingo (16) seu Culto Crioulo.

Neste culto louvamos ao nosso Deus e nos alimentamos na sua Palavra usando vestes e linguagem tradicionalistas além de hinos com melodias gauchescas.

Foi um culto muito bonito, com a participação do grupo vocal e também com uma apresentação de danças típicas ao final do culto feita pelo CTG Sentinela da Saudade.

Desde já agradecemos a todos que, direta ou indiretamente, ajudaram na realização deste culto e convidamos para que no ano que vem voltem a prestigiar este culto especial.

05/09/2012

Sobre a motivação correta!

 

Muitas vezes as pessoas fazem coisas por motivos errados!

Tão triste como ser motivado por algo ruim é não ser motivado por nada! Há momentos em que nos sentimos assim. Sem vontade! Sem brilho! Sem entusiasmo!

Ao ver o jornal da manhã fiquei sabendo que o jogador Adriano, recém-contratado pelo Flamengo, faltou o treino. O que aconteceu? Diz ele que não havia motivos para faltar, ou seja, faltou motivação. Se isso se repetir, o clube poderá rescindir o contrato.

Logo depois, o jornal anunciou um grandioso incêndio que acabou com dezenas de casas em uma favela paulista. Imagens de pessoas sentadas com o olhar vazio – desmotivadas por terem perdido tudo em alguns minutos. De onde tirar forças para reconstruir? Não deve ser fácil.

É consolador saber que a força existe, basta encontrá-la. Que motivos existem, basta percebê-los.

Nessa vida, vez por outra um incêndio nos arrasa. Material ou emocionalmente, existem chamas que nos machucam. Encontrar razões de viver e agir é fundamental. Porém, muitos são motivados pelo desejo de vingança, por medo, culpa, avareza e tantos outros sentimentos. Por isso cabe sempre uma reflexão sobre qual é o combustível de nossas vidas e pensar se de fato esse combustível não está danificando o motor de nossa existência.

No relacionamento com Deus, é importante avaliar a motivação; pois Deus sabe todas as coisas, portanto não repara apenas na aparência, ou na obra externa. Ele vê o coração. Ele sabe o que motivou esta ou aquela ação. Afinal, alguns são extremamente religiosos, mas fazem isso apenas para exigir seus direitos egoístas. Alguns ofertam pensando no retorno, esforçam-se em obras apenas por popularidade diante de sua comunidade. Buscam fama, riqueza e glória. Mas um dia perceberão que todos os seus esforços assemelharam-se com o cão que corre atrás do próprio rabo, como aquele que corre atrás do vento.

A verdadeira motivação é o amor! Especialmente o amor de Deus. Pois é absolutamente impressionante que Deus nos ama apesar dos nossos corações desmotivados ou com motivos feios. Ele é gracioso! Esse amor é revelado em Jesus! Na verdade nós amamos porque Deus amou primeiro!

Quando ajudamos alguém com sinceridade, isto é, sem interesse, mas motivado pela graça de Deus, então sentimos algo inexplicável, uma alegria singela, um sorriso solto, uma alma leve. Então nos enchemos de vontade, de brilho, de entusiasmo. Voltamos a estar fortes e prontos para trabalhar, treinar, reconstruir – tudo com o motivo certo, e com a certeza de que em Jesus, recebemos uma vida que nenhum incêndio poderá destruir; um acordo - uma aliança - um contrato que não será cancelado.

Ismar Lambrecht Pinz

Ismarpinz@yahoo.com.br

Comunidade Cristo Redentor – Três Vendas, Pelotas, RS.

18/08/2012

A única dívida

A Polícia Federal do RS, aderindo ao movimento nacional de reivindicação por reajuste salarial e melhorias nos equipamentos, realizou duas ações que deixaram a população indignada: a fiscalização que trancou o trânsito na ponte do Guaíba e a  operação padrão no aeroporto Salgado Filho que atrasou voos e causou transtornos a muita gente.

Essa operação me trouxe à memória duas palavras que vem à tona em situações parecidas: direitos e deveres. Não sei se por causa da Constituição Federal de 1988, a tendência é sempre defender os direitos próprios e apontar os deveres dos outros. É o que está acontecendo nesses movimentos grevistas que se acentuaram em âmbito federal: em vez de a população ser protegida, ela é usada como massa de manobra.

Ainda bem que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, endureceu o tom contra os grevistas da Polícia Federal nesta quinta-feira (16) e considerou que as manifestações realizadas pelo movimento são "inaceitáveis" dentro da liberdade democrática.  Seu veredito tem base nesse pensamento: "Uma coisa é cumprir a lei, outra coisa é abusar dela com o objetivo de atingir aquilo que não é interesse público".

Do ponto de vista bíblico, a tendência de acentuar os direitos próprios e apontar os deveres dos outros precisa ser invertida. Uma passagem bem clara no contexto da autoridade é esta do apóstolo Paulo: Não fiquem devendo nada a ninguém.  A única dívida que vocês devem ter é a de amar uns aos outros.  Quem ama os outros está obedecendo à lei (Romanos 13.8).

Se da “autoridade dos pais emana e se irradia toda outra autoridade” como escreveu Lutero no Catecismo Maior, está aí um grande desafio para quem está no lugar de governante ou de governado. Cada um pode focar seus deveres com base no amor inspirador de Cristo, que serão evidenciados os direitos dos outros. E como a tarefa é imensa, a dívida de amor precisa ser constantemente zerada pelo perdão de Cristo, que penhorou seu sangue para pagar essa conta.                                        

Edgar Lemke, pastor luterano

Comunidade Evangélica Luterana “Da Cruz” – Porto Alegre.

18/07/2012

A VERDADE SEMPRE APARECE

Aos 96 anos, João Havelange, ex-presidente da Fifa, junto com seu ex-genro Ricardo Teixeira, foi condenado pela Justiça da Suíça pelas propinas de empresas patrocinadoras. Uma desonra, ele que é uma das figuras mais ilustres na história do futebol. Levou tempo, mas a verdade veio à tona. Algo parecido com a vida do criminoso nazista mais procurado do mundo, Laszlo Csatary, 97 anos, acusado pelo extermínio de 15 mil judeus durante a 2ª Guerra Mundial. Passaram seis décadas, mas na semana passada a polícia encontrou o nazista escondido na Hungria sob a pele de bom velhinho. Evidentemente que não se pode comparar Havelange com Csatary, mas um detalhe comum caracteriza os dois: a anciã Mentira derrotada pela jovem Verdade.

Isto é bíblico, que “a mentira tem vida curta, mas a verdade vive para sempre” (Provérbios 12.19). Esta “perna curta” da mentira pode ser um dia ou 50 anos, não importa. Ela continua curta diante da verdade que dura para sempre. Vejam a situação do ex-presidente e senador Collor depois das revelações de sua ex-esposa Rosane, conforme o Fantástico do domingo passado. Aliás, parece que tudo na vida destas pessoas se transforma em “ex".  O que deve ser um alerta para todos os corruptos deste país que hoje exercem posições de destaque e vivem sob o manto da honradez. Um dia serão descobertos pela implacável jovem Verdade e o que lhes restará?

Um alerta para todos nós, sobretudo quando as Escrituras dizem: “Se dizemos que não temos pecados, estamos nos enganando, e não há verdade em nós” (1 João 1.9). O texto segue dizendo que Jesus é o Advogado para aqueles que se arrependem e buscam a ajuda dele. Uma ajuda disponível tanto para um criminoso de guerra como para alguém que chama o outro de idiota (Mateus 5.22).  Por isto, mesmo quando no derradeiro tribunal “tudo o que está em segredo será conhecido e revelado” (Lucas 8.17), percebe-se reiteradamente que também no curso desta vida a verdade sempre aparece.

Marcos Schmidt, pastor luterano

marsch@terra.com.br

Igreja Evangélica Luterana do Brasil

Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo, RS

06/06/2012

Vida sustentável

Participei do 2º Fórum ADCE para Sustentabilidade e voltei mais determinado em fazer a minha parte na preservação dos recursos naturais e do meio ambiente. Neste encontro em Porto Alegre, promovido pela Associação de Dirigentes Cristãos de Empresa, sob o tema “educar pelo exemplo e agir”, empresários, economistas, teólogos, políticos, engenheiros, professores e outros, expuseram ideias e experiências sobre formas sustentáveis de vida. Para mim foi um enorme aprendizado nesta matéria que sempre me interessou. Lembro-me que em 1982, ao optar pelo tema “ecologia” para a minha dissertação do bacharelado, desaconselharam-me por ser um assunto “sem interesse” no aspecto teológico. No entanto, quando hoje o termo “sustentabilidade” é definido como a capacidade de integrar as questões sociais, energéticas, econômicas e ambientais, de imediato os cristãos têm a tarefa de lembrar uma quinta questão, a espiritual. Segundo a fé bíblica, a sustentação, a rocha firme, a pedra angular é Cristo, e sem ela a casa cai.

Entre tantas palestras interessantes,  fiquei impressionado com a abordagem do ex-ministro da Casa Civil, Luis Roberto Ponte. Com voz embargada, disse que “a doutrina social da igreja ajuda a esclarecer a verdade sobre os sofismas que levam a injustiça, e demonstrar através do exemplo de vida que é somente pela prática do bem que se alcança a sociedade sustentável”. Percebi certa decepção dele com a vida pública, homem experiente que é nos seus 78 anos de idade. Penso que a maioria dos que chegam a este tempo de existência terrena, deve se sentir assim, frustrada com os “sofismas”, ou seja, as argumentações falsas com aparência de verdadeiras. É a insustentabilidade da palavra com a verdade o pior desastre ambiental deste planeta que sofre os efeitos do pecado. Mas foi por isto mesmo que “a Palavra se tornou um ser humano e morou entre nós, cheia de amor e de verdade” (João 1.14).

Marcos Schmidt, pastor luterano

marsch@terra.com.br

Igreja Evangélica Luterana do Brasil

Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo, RS.

30/05/2012

Abuso Sexual

A declaração da Xuxa revelando ter sido vítima de abusos sexuais quando criança alimentou comentários e reflexões sobre o assunto, que efetivamente é uma triste e dura realidade.

Convido a sociedade a repensar a maneira que lidamos com a sexualidade – e acuso, em especial, a pornografia como grande alimentadora dos abusos, pois a pornografia trata a sexualidade de maneira extremamente vulgar.

Toda vez que um estuprador é preso, a polícia encontra em sua casa uma grande quantidade de material pornográfico, o que revela que minha acusação é fundamentada e não está apenas no mundo das ideias.

O que quero denunciar aqui é que os abusos sexuais estão sendo alimentados pela maneira como estamos vivendo. A mesma sociedade que reclama é a que alimenta essa situação. Desde já deixo claro que a sexualidade é dom de Deus – não é pecado, mas sim a promiscuidade, tão comum em nossos dias.

Sei que os abusos acontecem desde que o pecado entrou no mundo, mas nos últimos tempos, cada vez mais temos tratado a sexualidade como algo descartável. Os aliciadores à prostituição são mais diretos e criativos. A indústria pornográfica é uma das mais lucrativas! Propagandas recheadas de erotismo barato são veiculadas diante de crianças e adolescentes. Músicas praticamente incentivam o abuso! Não tenho dúvidas, que tudo isso alimenta mentes desequilibradas. O resultado é que mulheres e crianças são estupradas, casamentos são desfeitos, doenças sexualmente transmissíveis multiplicam-se, e o dilema social das mães carentes e solteiras aumenta consideravelmente.

Enquanto a pornografia é aceita e difundida, a Palavra do Criador é considerada babaquice e até mesmo é proibida em instituições.

Fidelidade? Amor e respeito? Isso são coisas para os caretas! Porém, ouso dizer que os chamados caretas vivem com mais intensidade e felicidade a sua vida sexual em seus casamentos, uma vez que ela não acaba no final de uma festinha, mas permanece estável em um relacionamento recheado de sentimentos nobres e constantes, sem aquele vazio de quem foi usado, sem aquele medo de ser descartado!

O devaneio dos abusadores e os traumas dos abusados podem ser tratados a partir do rigoroso amor de Deus, que nos presenteia com a alegria do correto “uso” da sexualidade e com o amor de Jesus, que morreu na cruz, para pagar o preço pelos “abusos” da humanidade e dar uma esperança aos que desejam recomeçar suas vidas.

Pastor Ismar L. Pinz

ismarpinz@yahoo.com.br

Comunidade Luterana Cristo Redentor – Pelotas, RS.

22/05/2012

Congresso Dijesul

Nos dias 19 e 20 nossos jovens participaram do 55º Congresso Administrativo e Cultural do Dijesul.

Foram momentos muito bonitos de crescimento na Palavra de Deus e também na amizade entre os irmãos. Todos aproveitaram muito e se alegraram por este abençoado evento.

Como no ano passado, nossos jovens tiveram uma participação marcante. Alcançaram a quinta colocação, tanto no teste bíblico como também na música.

Tenho certeza de que um dos momentos que marcou este congresso foi a apresentação musical da Jutripel. Foi tudo muito lindo... emocionante mesmo. E isso rendeu muitos comentários de todas as pessoas que assistiram.

Infelizmente os jurados não nos deram o primeiro lugar, mas estivemos no lugar mais alto dentro do coração dos presentes. E isso é o mais importante. A música não é feita para ganhar prêmios, mas para ganhar corações e almas.

Parabéns a Jutripel pelo exemplo na participação.

Ano que vem tem mais.

Pastor Marcio

16/05/2012

Ascensão do dólar e de Jesus

A Ascensão de Jesus lembrada nesta quinta-feira tem efeitos parecidos com a ascensão do dólar: alguns gostam, outros acham ruim, e há os indiferentes. Sobre a moeda americana, os economistas explicam as consequências no câmbio que logo sentiremos no bolso. E a subida de Jesus aos céus? Como disse, tem pessoas que nem estão aí. Mas, nesta analogia com as implicações do dinheiro na vida das pessoas, nas devidas diferenças todos dependem da “economia divina”. Bem disse Paulo a um grupo de pessoas na câmara municipal de Atenas, conforme Atos 17: “É Deus quem dá vida a todos, respiração e tudo mais... Nele vivemos, nos movemos e existimos”. O lado tranquilizador é que Deus não oscila, não desvaloriza, não muda. É uma dependência boa. Já quanto ao dólar, tem gente arrancando os cabelos.

Por isto escreve Paulo numa de suas cartas: “Como são maravilhosas as bênçãos que ele prometeu ao seu povo e como é grande o seu poder que age em nós, os que cremos nele. Esse poder que age em nós é a mesma força poderosa que ele usou quando ressuscitou Cristo e fez com que ele se sentasse ao seu lado direito no mundo celestial” (Efésios 1.18-20). Enquanto o dólar – e tudo o que ele é e representa no reino financeiro e político – exerce um poder de domínio e subordinação, a subida de Jesus lembra o poder do amor e do serviço que ele mesmo prestou e recomendou.

Infeliz ou felizmente, ninguém vive sem dinheiro. Por isto a resposta de Jesus quando lhe deram uma moeda e lhe perguntaram “é lícito pagar impostos?”: “Deem ao imperador o que é do imperador e a Deus o que é de Deus”. Não tem como fugir desta sujeição aos cifrões. Mas daí, lembramos que temos um Senhor que subiu aos céus e intercede por nós, e que nos ensinou a orar “o pão nosso de cada dia nos dá hoje”. Nas oscilações deste mundo, ele também prometeu: “Ponham em primeiro lugar na sua vida o Reino de Deus e aquilo que Deus quer, e ele lhes dará todas essas coisas” (Mateus 6.33).

Marcos Schmidt, pastor luterano.

marsch@terra.com.br

Igreja Evangélica Luterana do Brasil

Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo, RS

11/05/2012

Ensinamentos de mãe!

hospital

Este ano passarei o décimo quinto Dia das Mães longe da minha mãe querida. A vida de pastor não é fácil, principalmente no que diz respeito à família. Tanto pastor como esposa geralmente vivem longe de seus familiares.

Mesmo não estando perto da minha mãe para abraçá-la nesse dia especial, posso senti-la sempre perto de mim, ao meu lado.

O sábio rei Salomão escreveu no livro de Provérbios (6.20-22): “Filho, faça o que o seu pai diz e nunca esqueça o que a sua mãe ensinou. Guarde sempre as suas palavras bem gravadas no coração. Os seus ensinamentos o guiarão quando você viajar, protegerão você de noite e aconselharão de dia.

Existe também um ditado popular que diz: “A gente cria os filhos para o mundo.” É inevitável que os filhos saiam de casa, é o curso natural da vida. Alguns saem, mas ficam perto, outros vão pra bem longe. Não importa onde estejam os filhos, se a mãe lhes ensinou boas coisas, com certeza eles estarão bem.

Me lembro de quando estava na casa dos meus pais e recebi uma consulta de chamado pra voltar pro Rio Grande do Sul. Quando conversei com minha mãe a respeito senti seu coração apertado, contudo sua palavra foi: “Se você estiver feliz eu também estarei.” Só pode dizer isso uma mãe que está certa dos seus ensinamentos.

A exemplo de Eunice, a mãe do pastor Timóteo, minha mãe me ensinou na Palavra de Deus, as palavras que nos tornam sábios para a salvação em Cristo Jesus. Palavras que nos protegem a noite e aconselham de dia.

Queridas mães, este é o maior presente que vocês podem dar a seus filhos. Filhos ouçam com atenção e recebam com muito carinho os ensinamentos de suas mães em seus corações, tudo que elas fazem é para o bem de vocês.

Amém.

Pastor Marcio Loose

02/05/2012

TRABALHO

Kamila Almeida, numa reportagem de Zero Hora (29/04/2012), sob o título O trabalho que transforma vidas, diz que “já na época de Adão e Eva, o trabalho não era visto como algo exatamente positivo”, pois o casal bíblico foi expulso do paraíso e teve de “conquistar o pão com o suor do seu rosto”. Mas, continua a reportagem, “hoje, o mercado se abriu e se tornou muito mais do que uma fonte de renda, uma forma de tornar a vida mais prazerosa”.

Quem fez uma interpretação ainda mais positiva do trabalho foi Lutero ao falar da vocação das pessoas para os diversos tipos de trabalho. Ele entendia que “vocação” é servir os outros e nisso a espiritualidade é trazida para a nossa vida prática de cada dia. Ele costumava dizer que Deus está oculto na nossa vida diária. A rotina comum de ganhar a vida, ir ao supermercado, ser um bom cidadão, gastar tempo com a família, são esferas nas quais Deus opera, através de meios humanos. Na explicação do primeiro mandamento no Catecismo Maior ele escreve: “Pois, ainda que, de resto, muita coisa boa nos venha de homens, todavia, é receber de Deus tudo quanto se recebe por seu mandamento e ordem. As criaturas são apenas a mão, o canal e o meio através de que Deus tudo concede”.

É bom lembrar que Deus está intimamente envolvido em tudo o que existe. Deus é ativo e opera através dos meios.  Se no reino espiritual ele opera através dos meios de graça (Palavra e Sacramentos), no reino terreno, ele governa por meio da vocação.

Se pedimos, no Pai Nosso, pelo pão de cada dia, então oramos pelo nosso emprego, pelo desempenho da economia do nosso País, pelo agricultor que planta o trigo, pelo caminhoneiro que o transporta, pelo moinho que faz a farinha, pelo padeiro que faz o pão, pelo comerciante que o vende. Cada parte desta cadeia alimentar econômica é uma vocação, através da qual Deus opera e distribui os seus dons.

Entender o trabalho como uma vocação ou um chamado de Deus para que esse círculo de dádivas que permite o funcionamento do mundo torna a vida mais prazerosa. Esta é a canção do Salmo 128: “Do trabalho de tuas mãos comerás, feliz serás e tudo te irá bem”.

Edgar Lemke

Pastor luterano da Congregação “da Cruz”

Petrópolis, Porto Alegre – RS

23/04/2012

Fundamentando–Pentecostes

Tradicionalmente falamos das mães no mês de maio. Mas este ano quero falar a respeito de outro assunto: Pentecostes.

Dias antes da sua prisão, morte e ressurreição Jesus estava muito próximo dos seus discípulos e lhes ensinava coisas muito importantes, pois a hora de deixá-los sozinhos para continuarem seu trabalho estava se aproximando.

É claro que a ideia de ficarem sem seu mestre deixava os discípulos muito apreensivos. Por isso Jesus promete não deixá-los sós. “Eu pedirei ao Pai, e ele lhes dará outro Auxiliador, o Espírito da verdade, para ficar com vocês para sempre” (João 14.16). Jesus promete enviar o Espírito Santo que seria o auxiliador dos discípulos na sua difícil tarefa de levar a mensagem do amor de Deus através de Jesus ao mundo inteiro.

E a tarefa do Espírito Santo fica muito clara nas palavras do próprio Jesus: “Quando o Auxiliador vier, ele convencerá as pessoas do mundo de que elas têm uma ideia errada a respeito do pecado e do que é direito e justo e também do julgamento de Deus” (João 16.8).

Jesus, depois da sua ressurreição ainda permaneceu com seus discípulos 40 dias e subiu ao céu. Os discípulos ainda estavam assustados com todos os acontecimentos. Foi quando, no dia de Pentecostes (no qual os judeus comemoravam a colheita), reunidos em casa, eles ouviram um som, como de um vento muito forte, e o Espírito Santo desceu sobre eles na forma de línguas de fogo. Eles passaram a falar em outras línguas porque havia muitas pessoas de vários lugares e diferentes línguas ali que precisavam ouvir a mensagem do Evangelho.

Hoje o mesmo Espírito Santo vem até nós, não em línguas de fogo, mas através da Palavra e dos Sacramentos. Não para nos dar poderes, mas nos convencer a respeito das verdades bíblicas e nos auxiliar e levarmos CRISTO PARA TODOS através das nossas palavras e atitudes.

Hoje é o tempo em que Deus quer nos salvar e nos fazer instrumentos de salvação. Bem fundamentados nas verdades bíblicas, com certeza, o Espírito Santo agirá em nossas vidas e através de nossas vidas. Amém.

Pastor Marcio Loose

28/03/2012

Eu creio…

O Crucifixo, pendurado no calendário da Semana Santa, sempre foi proibido nos tribunais da lógica. A razão remove da parede a divindade e humanidade do Cristo morto e ressuscitado. Impedimento já no primeiro século quando o gnosticismo invadiu a igreja com um Jesus encarnado numa emanação terrena de Deus – uma roupa que Ele usou e jogou fora. Prevenida, a igreja logo formulou os três Credos: “É Deus, da substância do Pai, gerado antes dos tempos, e Homem da substância de sua mãe, nascido no tempo” (Atanasiano). Tudo para sublinhar as palavras: “Mas quem nega isso a respeito de Jesus não tem o Espírito de Deus; o que ele tem é o espírito do Inimigo de Cristo”(1 João 4.3).

Os racionalistas, por isto, estão cobertos de razão. O Cristo que entra em Jerusalém no lombo de um burro não é “dois mais dois igual a quatro”. É “dois mais dois igual a cinco”. É um Cristo absurdo, incoerente, inconsistente... A própria Bíblia se entrega e diz que “Cristo na cruz é loucura”. Mas ela observa que, se é loucura para os que se perdem, é poder de Deus para os que são salvos (1 Coríntios 1.18). Por isto “credo” – do latim “eu creio”. Creio e pronto. Creio e não discuto, nem tento entender. Creio e testifico aquilo que me dá esperança num mundo sem esperança, que “em Cristo, como ser humano, está presente toda a natureza de Deus (...) que anulou a conta da minha dívida (...) pregando-a na cruz” (Colossenses 2.9,14).  Creio num crucifixo que ficou vazio, creio num Deus sem túmulo –  o grande diferencial da fé cristã. Ao contrário do que escreve Paulo Sant`Ana no artigo Túmulos:  “Se Jesus não tivesse ressuscitado e tivessem sido preservados seus restos mortais, imaginem as romarias que os cristãos fariam todos os anos, vindos de todas as partes do mundo para visitar o túmulo de Cristo”. Romarias para um Deus morto?  Bem disse outro Paulo: Se Cristo não foi ressuscitado, a fé é uma ilusão (1 Coríntios 15.17). Apesar de tudo, eu creio...

Marcos Schmidt, Pastor luterano - Igreja Evangélica Luterana do Brasil, Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo, RS.

marsch@terra.com.br

23/03/2012

Programa de Rádio

Olá queridos membros e amigos da Congregação Trindade. Começa amanhã (24.03) o nosso programa semanal na Rádio Comunitária Charqueadas.

O programa ainda não tem nome, aceitamos sugestões. Ele terá uma hora de duração, todos os sábados, das 10h – 11h. A sintonia da Rádio Charqueadas é 92,7 FM.

A proposta é de um programa diferente, com belos hinos, mensagens, oração e até respostas às dúvidas das pessoas.

Ouçam (seja no carro, no celular, no seu radinho a pilha ou no seu poderoso aprelho de som em casa), divulguem, deem sugestões. Vamos juntos encontrar a melhor maneira de levar CRISTO PARA TODOS, também através do rádio.

20/03/2012

“Vida em Arte”

Neste último domingo (18) foi realizado o quarto Festival Missionário “Vida em Arte”, promovido pelo Dijesul.

Tudo começou bem cedo. As 8h alguns jovens já estavam com toda a vontade e força montando o palco para as apresentações e muitas pessoas chegando para ajudar. As 10h teve início o culto jovem, que foi muito bonito, com uma bela participação dos jovens do Distrito e também dos membros da Congregação Trindade. O culto foi dirigido pelo pastor local, Marcio Loose, e o pregador foi o pastor André dos Santos da Silva, Conselheiro Distrital do jovens.

DSCN0374

Após o culto (que contou com a presença de aproximadamente 170 pessoas), foi servido um delicioso almoço. Já devidamente alimentados, os jovens foram divididos em 6 equipes e sairam pelas redondezas distribuindo convites para o festival, que iniciou as 15h.

As atrações foram as bandas “Vinde a Mim” e “Bem Aventurados”, além de teatro, dança, brinquedos infláveis para as crianças, brincadeiras com as crianças, mateada, aferição de pressão arterial, distribuição de pipocas, etc.

Agradecemos a todos que se emprenharam para que esse evento pudesse ser realizado da forma como foi. Agradecemos a Deus por nos dar a oportunidade de compartilhar o amor tão grande que Ele tem por todos nós.

Já estamos ansiosos para o próximo “Vida em Arte”.

Confiram algumas fotos!

01/03/2012

Recomeçar!

frases de recomeço 3 Frases de RecomeçoJá estamos no terceiro mês do ano e parece que só agora nossas vidas começam a entrar nos trilhos novamente. No Brasil há quase um consenso: o ano só começa depois do carnaval.

Há um ano, tanto pastor como congregação viviam um recomeço. Novo lugar, novos desafios, nova forma de trabalhar o velho e bom Evangelho do Senhor Jesus Cristo.

Nossa vida é um constante recomeço. A cada novo dia vivemos pequenos recomeços de vida. Isso é importante, pois não deveríamos viver nossas vidas como se tudo já estivesse programado, como muitos teimam em dizer que tudo é culpa do “destino”. Não, a vida não é assim. A cada dia Deus nos dá oportunidades de recomeçarmos, mudarmos aquilo que não está bom, termos novas e boas atitudes diante das pessoas que Deus colocou em nossas vidas e diante do próprio Deus.

Este mês de março será vivido, todo ele, dentro do período da Quaresma. Para muitos a Quaresma pode apontar para o fim: o fim da vida de Jesus com sua morte. Contudo, para nós cristãos, a Quaresma aponta exatamente para um belo recomeço. Primeiramente porque sabemos que Jesus não permaneceu na morte, pelo contrário, ressuscitou no Domingo da Páscoa. E, exatamente por esse motivo, nós temos a certeza de que, sempre que nos desviamos do caminho divino, desobedecendo a vontade de Deus, temos a oportunidade de, através do arrependimento sincero e a busca do perdão, recomeçarmos nossa relação com nosso Pai amoroso sempre de novo e de novo.

Da mesma forma, o recomeço de Jesus na Páscoa garante um recomeço maravilhoso para todos os cristãos após sua morte. O apóstolo Paulo deixa isso bem claro quando diz que “a verdade é que Cristo foi ressuscitado, e isso é a garantia de que todos os que estão mortos também serão ressuscitados” (1 Coríntios 15.20).

Estamos vivendo o recomeço das atividades normais da congregação, recomeçando mais um ano cheio de desafios, conscientes das grandes dificuldades, mas também certos de que o nosso Senhor Jesus, que prometeu estar conosco todos os dias até o fim dos tempos (Mateus 28.20), certamente continuará cumprindo sua promessa, nos abençoando em mais este ano.

Feliz recomeço a todos nós, sob a bênção divina.

11/02/2012

Viver vale a pena

No dia 6 de fevereiro de 2007 eu passei por uma delicada cirurgia de transplante renal. Nesta semana em que completam 5 anos dessa nova oportunidade de vida concedida por Deus, resolvi compartilhar com vocês um texto que escrevi pouco tempo depois deste fato. Espero que gostem.

“Pi... pi... pi... esse barulho dos aparelhos da UTI somado aos murmúrios dos enfermeiros correndo de um lado para o outro, cuidando de seus pacientes, foram os sons que inundaram meus ouvidos na manhã do meu vigésimo oitavo ano de vida. Talvez não fosse a saudação mais desejada para o início de mais um ano de vida, contudo esses sons me davam alento e a certeza de que Deus havia me dado a oportunidade de viver (ou reviver) novamente. Afinal de contas, há menos de 24 horas havia passado por uma delicada cirurgia de transplante renal.

Nossa vida é algo muito importante, um presente de valor inestimável que recebemos de Deus através de nossos pais. Pena que quando esse presente nos é dado ainda não temos a consciência do seu valor e da responsabilidade que temos de fazer com que ela realmente valha a pena ser vivida.

Vale a pena lembrarmos que nossa vida não é vivida apenas para nós mesmos, mas também em função e para as pessoas que estão ao nosso redor, as pessoas que, ao longo dessa vida vamos cativando, trazendo para perto de nós, pessoas que muitas vezes nos vêem como exemplos, que nos estimam, que se preocupam e que nos amam.

Tudo isso faz com que a responsabilidade de fazermos nossa vida valer a pena aumente a cada dia. Nesse mundo não basta apenas existir, temos que viver de uma forma tal que as pessoas com quem convivemos e o meio onde estamos possam ser beneficiados através de nós.

Hoje Deus te deu mais uma chance acordar com saúde, de viver mais um dia. O que você vai fazer para que esse dia não passe em branco? Lembre-se de que o amanhã é incerto, o ontem já se foi e não podemos fazer nada para fazê-lo voltar. O momento de fazer a diferença é agora. Como temos agido no meio em que vivemos? Como temos desempenhado nossa função na família (pai, mãe, filho, irmão)? Temos amado e respeitado aqueles que conosco formam um lar? Na sociedade, como cidadãos, temos cumprido nossos deveres? Temos cobrado nossos direitos e feito uso deles? Na escola, na igreja, no círculo de amigos, temos sido pessoas ativas, pessoas que fazem algo para contribuir para o engrandecimento do grupo?

Você vive ou você apenas existe?

Não espere ser acordado para o verdadeiro sentido da vida por causa um grande susto como um acidente ou uma doença grave. Acorde hoje mesmo, desperte do sono existencial e faça da sua vida um espetáculo. Como diria o psicólogo e psiquiatra Augusto Cury: ‘saia da platéia e entre no palco da sua vida’”.

A paz de Deus a todos.

10/01/2012

Novo ano…

No dia 8 de janeiro foi realizado o primeiro culto do novo ano na Congregação Trindade da Vila Bom Jesus. Neste culto foi realizada a instalação das novas diretorias dos Departamentos de Servas e Jovens para a gestão 2012. Neste culto a família da fé também recebeu a pequena Emanuelly através do Batismo.

DSCN9560

Diretorias instaladas (Jovens e Servas). Infelizmente alguns membros não puderam estar presentes.

DSCN9564

Batizado da Emanuelly.

Ao iniciarmos mais um ano no calendário civil aproveitamos para olhar para trás, para o ano que passou e louvar a Deus por tantas bênçãos derramadas sobre nossa congregação e também pela força e amparo nos momentos de dificuldade. Ao mesmo tempo olhamos para frente e depositamos toda nossa confiança naquele que prometeu estar com seu povo todos os dias até o fim dos tempos, certos de que assim poderemos enfrentar tudo o que o futuro nos reserva com muita confiança.

Feliz 2012 a todos.